Sua voz na melhor idade!

Imagem destaque

Compartilhe:

22-02-2023

Danilo Martire

Em 2019, o número de idosos no Brasil chegou a 32,9 milhões. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a tendência de envelhecimento da população vem se mantendo e o número de pessoas com mais de 60 anos no país já é superior ao de crianças com até 9 anos de idade.

 

O envelhecimento tem suas origens em fatores biológicos, psicológicos e sociais. E não podemos negar que um dos aspectos fundamentais nas nossas relações com as outras pessoas se dá por meio da fala. A voz diz muito sobre uma pessoa.

 

Você sabia que a sua voz também envelhece? Esse processo, chamado de presbifonia, ocorre em geral a partir dos 60 anos. Um dos primeiros sintomas pode aparecer na voz cantada, em que se perde a capacidade de modulação da voz com diminuição na produção de sons agudos e redução da capacidade expiratória com diminuição da extensão vocal.

 

Nem todas as pessoas desenvolvem a presbifonia de modo acentuado. Fatores como saúde física, condições emocionais e hábitos de vida, podem interferir nesse processo.

 

E como se dá esse processo?

 

A voz é produzida na laringe, órgão que fica no pescoço e abriga as duas pregas vocais. Elas vibram a partir da passagem do ar vindo dos pulmões e produzem o som da nossa voz que é finalizada por nossos articuladores como lábios, língua, palato e nariz.

 

Com o passar dos anos, os músculos da laringe se tornam mais flácidos, as cartilagens endurecem e ocorre a redução da lubrificação da região. Com isso a voz tende a ficar mais fraca, agudizada, trêmula e com dificuldade para pronunciar as palavras.

 

O decorrer dos anos torna mais comuns queixas como rouquidão, pigarro, cansaço ou desconforto para falar, menor capacidade de projetar a voz. Por vezes é preciso consultar um médico para identificar se esses sintomas não são fruto de um problema de saúde. Alguns especialistas também mencionam a perda de audição associada à dificuldade de falar, como um fator que leva o idoso ao isolamento social, com risco de desenvolver depressão.

 

Temos como evitar o envelhecimento?

 

O envelhecimento é inevitável, mas há maneiras de se reduzir os impactos negativos nesse processo (vejamos o exemplo de cantores e profissionais da voz que nunca perderam a sua capacidade vocal).

 

Hidratar-se frequentemente, não gritar ou tentar falar mais alto do que o ruído do ambiente, não pigarrear, fumar ou ingerir muito álcool são exemplos de hábitos

saudáveis para a voz. Fazer aulas de canto e exercícios de respiração, tonificação e articulação vocal ajudam bastante nesse processo.

 

Movimente a sua voz!

 

Falar é um ato social. Nos comunicar é uma terapia. A perda dessa capacidade, como dito acima, pode fazer mal para a nossa saúde mental e física. Então porque não movimentar a sua voz? Cantar, seja sozinho ou em grupo, prestar atenção nas qualidades da sua voz enquanto fala (veja meu último artigo, Use a sua Voz e Conquiste o Mundo! Revista do Círculo de março 2021), intensidade, tom, timbre e ritmo e claro, consultar um médico otorrinolaringologista com regularidade.

 

Pra terminar, um exercício bem simples que ajuda a melhorar a voz é falar, com movimentos amplos, de forma bem exagerada, as vogais I, U, A, O, alternando sons agudos e graves. Imitar a mastigação de boca aberta, sem alimento lógico (rs), também é muito bom, assim como exercícios de vibração de lábio “brrrrrrr” (imitando um carrinho de brinquedo), fazer “rrrrrrrrrrrrr”(com a ponta da língua no céu da boca) e “zzzzzzzzzz”(com os dentes cerrados).

 

Sobre o autor: Danilo Martire

Sócio do Círculo Militar. Trabalha na área de comunicação e marketing do Metrô de São Paulo. É palestrante e professor de canto. Formado em Administração de Empresas e pós-graduado em marketing, publicidade e sociologia.

 

Confira as últimas postagens

Imagem destaque

Sua voz na melhor idade!

Veja mais
Imagem destaque

Respiração, Alongamento e Aquecimento antes de cantar

Veja mais
Imagem destaque

Rock se Faz Junto!

Veja mais

Contato

    Telefone

    (011) 99901-0933

    Onde estou

    São Paulo - SP